25.7.08

Mulher

Do que me adianta comida se não tenho fome

o que me consome é seu amor

fruto nocivo, lindo e exotico como flor de maracujá

Me preenche de ilusão ao dia e na noite me esvazia em sonhos

Canto ao luar da chapada, junto as aguas douradas

Para me proximar das estrelas e de você

que me consome com seu amor de Mulher

Deusa de meu ser

Só os Lokos,


Só os Lokos,
Da direita para esquerda:
Rodrigo "dente de coelho", Baianinho,
Mega "piração de ideia", Jô "humildão"
no fundo Vaú e na frente Miltinho"vida loka"
e depois Eu(neGrum).

neGrum


incerteza VIRÃO

Alagados EM lamentos

formarão

jardim DE armadilhas

E Seres

acrescida de terror e humilhação

PERDEM Valores

como O dia vira noite

sedentos e afoitos

meninos orfão, mendigos

com tristeza e redenção

CRIA realidade PIOR que ficção

É noiZZZZZZZZZZ!


De boa essa turma...... Da direita para esquerda:
Marise, meu irmão Kojack, Eu(neGrum), Ângela, Meu truta Tô, Zayra e meu patrão Vilson...
Balada, cerveja e trampus....

Bem cedo

Esta foto
eu tirei bem cedo.....




Cedo acordo para ver o sol
tarde ele apareceu
seu brilho resplandeceu
como belas pedras e águas brilhantes
pensei
é meu diamante
ou o cascalho lavado que o tempo
me reservou
bem, cascalho ou diamante
não mexo em nada
para que meu filho
veja e tenha na chapada
O sonho que o bisavô
o avo e o pai
GARIMPOU

Abilio_Ruan Pablo_MEU MOLEQUE e Mega, Só os Lokos


A vida é loka, mas loko nem sempre sobra. Estes aí é Abilio e Mega meus irmãos! Ah e no meio, meu filho Ruan Pablo, um vida loka do cenário!

Orgulho de ser

















Nojo de mim?

Não!

Orgulho de ser,

negão!


Este é meu irmão mais novo Jr. está foto é no Serrano, Lençóis.

23.7.08

Minha vida por um fio

Minha vida por um fio e eu aqui pesando nela

Na janela o sol não brilhou

o tempo fechou

Meus livros não falam a real e a ficção não mais me comove

A tv me aprisiona com coisas cafona e banal

O tempo parou ou estacionei no fim

Minha família me ama pelo dever de amar seu próprio sangue

Tudo que tenho neste mundo das coisas não é meu

Cada pessoa um mundo então de que mundo sou eu

Refletir não me trará solução

Insanidade ou indiferença

Nem sei

fecharei a janela

adormecerei minha sanidade

O tempo todo

Porque Minha vida por um fio e eu aqui

Da janela pesando nela

Negrum, 2008

Meiga e cheia de perfume Você, de todo o meu jardim É a flor mais linda!