7.7.16

Pra ser só ser


Pra ser só ser
Na prisão da mente e nos passos largos que dei
Onde prendi meu rumo e escondi da liberdade privativa
Escravo da calamidade de ser só ser
Aos milhares de humanoides que em min veio perecer
Ungido como lagrimas que encharca a terra de outrora
Lavei meu corpo e fechei minha alma
Com muito menos do sufoco
Em muito repouso do suor, do medo e da lamentação
Fiz a calma
Na prisão da mente e nos passos largos que dei
Ontem sonhei
Hoje vivi e amanhã recordei

Pra ser só ser
Postar um comentário

Meiga e cheia de perfume Você, de todo o meu jardim É a flor mais linda!